Novas evidências confirmam água na Lua

Poeira e rocha inerte. Muita poeira.
Esta é a visão de muitos sobre a superfície da Lua. Porém é preciso revê-la.

Assim que chegaram os primeiros dados do equipamento MINI-RF da NASA diretamente do polo norte da nossa Lua, os cientistas ficaram radiantes diante da confirmação do projeto LCROSS. Confirmou-se a presença de gelo de água em grande quantidade nas crateras permanentemente escuras.

Logo Mini RFO equipamento MINI-RF que foi de carona no projeto da primeira sonda lunar indiana, foi especialmente desenvolvido para detectar a presença de água nestas crateras. Alias, pesquisei sobre a história do projeto espacial Indiano, que me surpreendeu por sua longevidade e consistência em obter resultados, apesar do orçamento muito distante das potências espaciais.

Com esta confirmação cresce as possibilidade de exploração da Lua em longo prazo. O uso da Lua como base para lançamento de foguetes começa a fazer sentido. Com água em abundância (estimados 600 milhões de metros cúbicos) é possível produzir oxigênio e água para manter uma colônia, além de hidrogênio combustível para os possíveis foguetes. Uma colônia pequena produzindo combustível e oxigênio seria interessante como posto de reabastecimento.

Mas isso é uma visão de muito longo prazo. Não creio que verei isso, nem mesmo minhas filhas.

A visão de poeira seca como nas fotos do projeto Apollo, de maneira nenhuma representam a visão das crateras do polo norte lunar. Camadas e camadas de gelo devem deixar a visão um tanto mais próximo dos pólos terrestres e altas cordilheiras.

Na imagem abaixo, as crateras destacadas em verde possuem características detectadas pelo sensor que condizem com presença de água congelada.

Água detectada em crateras em vermelho no polo norte lunar pelo miniRF

O centro da imagem é o polo norte lunar.

E você? Acredita que ainda iremos colonizar nossa companheira cósmica?

Fonte NASA.

Outros Artigos:

Um comentário para “Novas evidências confirmam água na Lua”

  1. Rubens filho disse:

    Bem que estes cientistas deveriam fazer uma parceria com os que tentam evitar o fim de aguas potaveis, aqui na TERRA.
    O investimento seria bem menor.
    Reflorestamento e concientização.
    Isso contribuira muito para que os cientistas futuros não morram de sede.

Deixe um comentário