O Universo em uma Caixa de Areia

15 de maio de 2014

Esta é a minha dica para os astrônomos quase amadores e frustrados como eu…


 

Simulações são comuns em jogos, a série The Sims está aí chegando com a versão 4 para mostrar o sucesso de simular as interações entre as pessoas. Mas o que acontece se alguém resolver simular o universo inteiro??

Esta é a premissa de Universe Sandbox: uma simulação do universo! Veja nos vídeos abaixo as possibilidades abertas na simulação:

Encontro da Voyager com Júpiter:

Colisão da Via Láctea com a Galáxia de Andrômeda:

Explodindo Júpiter:

Todas as simulações podem ser modificadas alterando a massa dos planetas, sua velocidade e outros parâmetros. Você pode até incluir novos planetas no Sistema Solar, excluir o Sol, adicionar os anéis de Saturno na Lua, etc.

Um “hands-on” de um astrônomo amador (em inglês):

Se você sabe alguma coisa sobre gravidade e órbitas, você obrigatoriamente tem que experimentar este programa. E se você é do tipo muquirana como eu, tem promoção absurda só para hoje no Humble Bundle: um pacote com Universe Sandbox e outro jogo que nem vi direito o que é por apenas a média das doações! (15 de maio as 11:48: US$ 4,37). Use uma conta no Paypal para pagar em boleto ou cartão de crédito e boa sorte.

Infelizmente a simulação do programa não é precisa cientificamente e matematicamente. Porém é o suficiente para entender alguns dos principais conceitos como órbita e a relação entre massa e gravidade, a relação entre as distâncias entre planetas, tamanho das estrelas, etc. Muito legal.

Eu comprei e irei baixar nos próximos dias… depois dou minhas impressões diretas, ok?


 

PROMOÇÃO SÓ HOJE:  15 de maio de 2014 em https://www.humblebundle.com/.

Se perdeu a promoção tem no Steam: http://store.steampowered.com/app/72200/

Mestre em Ciência da Computação

15 de maio de 2014

Pois é meus dois leitores e meio, nesta última sexta-feira realizei a defesa de minha dissertação de mestrado e agora podem me chamar de mestre!

Minha dissertação: “New Frontier: um protocolo de roteamento eficiente para redes de sensores e atuadores sem fios com suporte para a comunicação atuador-atuador” foi aprovada e o título de mestre me foi atribuído.

Estou muito contente e aliviado, pois a quantidade de trabalho que tive que fazer para chegar até aqui não estava em minhas previsões. De qualquer forma, agora não tenho mais a desculpa número 1 para não voltar a escrever neste blog. Claro que vou ter que escrever um artigo para publicação do protocolo em uma conferência ou congresso internacional… terei que escrever um survey com a parte bibliográfica de meu trabalho que ficou enorme… e outras tarefas…

Mas agora vou tentar voltar ao blog de verdade, ok?

Para mostrar que estou falando sério, hoje tem dois artigos, este aqui que diz respeito só a mim mesmo, e outro com uma dica muuuuuiiiiiiiiitooooo legal.

Valeu gente até mais.

Ps.: podem continuar me chamando de Prof. Luis Eduardo, acho Me. Luis Eduardo muito pedante, e Luis Eduardo, Msc inaceitável!

Sobre Redes de Sensores sem Fios (parte 1)

18 de fevereiro de 2014

Olá meus três leitores… estou de volta!

Bom… na última vez que apareci prometi que em fevereiro estaria de volta e teria muita informação sobre minha tese para compartilhar com vocês. Pois é, tenho que parar de ficar fazendo promessas que não posso cumprir!

Infelizmente o cronograma de entrega de minha dissertação de mestrado estourou e ainda vou ficar mais um mês trabalhando neste infindável projeto. Acho que é um dos projetos mais longos que já trabalhei. Quer dizer, tirando o Sistema de Pesquisa de Opinião da Sabesp que levou cerca de 3 anos para ficar pronto!

Mesmo com muito trabalho vou começar agora a registrar um pouco de informação no blog pois aqui é meu repositório de informações também.

Rede de Sensores sem Fios

O tema do meu trabalho é roteamento em Rede de Sensores sem Fios. Conhece? Não? Quando eu comecei o mestrado eu nem sabia o que era isto. Eu simplesmente nunca tinha ouvido falar!

Vou começar falando dos sensores. Microprocessadores cada vez mais eficientes tem permitido construir pequenos dispositivos programáveis com múltiplas utilidades e baixo consumo. Os Arduinos são exemplos de dispositivos deste tipo que tem se tornado populares entre os entusiastas de microeletrônica. São dispositivos microprocessados com memória, interfaces de entrada e saída prontos para serem usados em projetos.

Além destes dispositivos microprocessados, também a área de transmissão de dados sem fios tem tido grande desenvolvimento, permitindo transferência de dados com baixo consumo energético.

Não foi nenhuma surpresa quando alguém resolveu juntar as duas coisas: construir dispositivos microprocessados com rádios de comunicação e sensores. Estes dispositivos foram chamados de nós sensores. Uma rede de nós sensores seria um conjunto destes nós sensores dispostos em uma área de interesse medindo uma ou mais grandezas físicas.

Estes valores medidos podem ser coletados e transmitidos pelos rádios até uma estação base (em inglês sink) ou podem ser processados localmente pelo nó sensor para detecção de eventos de interesse e em caso de um evento detectado a estação base é informada.

Os nós sensores funcionam à bateria e via rádio, justamente pelo alto custo de passagem de cabos entre os nós, e porque eventualmente a área de interesse é de difícil acesso, impossibilitando a passagem da fiação.

Bem, a área de estudo é Rede de Computadores, logo os desafios que procurei entender e atacar no trabalho são os relacionados com a transferência dos dados entre os nós sensores e a estação base.

A baixa potência do rádio impossibilita a transmissão direta de cada nó sensor para a estação base. Então para que a informação seja entregue, os nós mais distantes enviam seus dados para um nó mais próximo e este envia o dado para a estação base. Este mecanismo é chamado transmissão multi-saltos (multi-hops). O desafio das transmissões multi-saltos é escolher quais nós irão retransmitir os dados. Esta escolha é chamada roteamento (definição de rota).

Em meu trabalho foquei em construir uma técnica de escolha de rota que fosse eficiente e entregasse a maior quantidade de pacotes possível. Digo isso, porque em rede de sensores é comum a falha na transmissão de dados, devido a interferências e colisões.

E eficiência do protocolo é importante para evitar o consumo excessivo de bateria, uma vez que é difícil, ou mesmo inviável a troca das mesmas. A eficiência está também relacionada no atraso na transferência dos dados entre o sensor e a estação base. Quando um evento ocorre, em algumas situações é necessário a informação chegar o mais rápido possível à estação base, para que o operador tome providências imediatas.

Continuarei este artigo em uma semana. (Viu como não consigo não fazer promessa que provavelmente não cumprirei!)

Estamos vivos

20 de novembro de 2013

Olá meus três leitores, voltei só pra dizer que estou muito vivo. O mestrado é muito, muito mais intenso do que eu imaginava, e portanto, não consegui vir aqui nem para registrar meu progresso na minha tese. Só para dizer que não estou de bobeira, aí vai os primeiros resultados positivos de meu trabalho:

D300R805.Taxa
D300R805.Atraso D300R805.Consumo D300R805.Saltos

Se tudo der certo em fevereiro irei publicar muito material sobre minha tese e explico o que se trata.